Difference between revisions of "Auto-hospedagem e ip público"

From Wiki Coolab
Jump to navigation Jump to search
Line 10: Line 10:
 
Só que muitas vezes você não quer usar sozinho esse serviço, mas quer que ele esteja disponível na internet para sua família ou amigos, ou quando você mesmo está na rua. Se você está rodando esses sistemas numa máquina virtual (VPS) na internet, isso não é um problema, o serviço já está na "nuvem". E o que acontece se você quiser que essa máquina esteja na sua própria casa? Com um computador normal ou de cartão como a raspberry, essa pode ser uma opção mais autônoma.  Mas muita gente não tem essa possibilidade  porque para isso é necessário que o teu equipamento tenha um ip público, visível para todos na internet.  
 
Só que muitas vezes você não quer usar sozinho esse serviço, mas quer que ele esteja disponível na internet para sua família ou amigos, ou quando você mesmo está na rua. Se você está rodando esses sistemas numa máquina virtual (VPS) na internet, isso não é um problema, o serviço já está na "nuvem". E o que acontece se você quiser que essa máquina esteja na sua própria casa? Com um computador normal ou de cartão como a raspberry, essa pode ser uma opção mais autônoma.  Mas muita gente não tem essa possibilidade  porque para isso é necessário que o teu equipamento tenha um ip público, visível para todos na internet.  
  
**Esse tutorial assume que você já tem uma Raspi (ou outro servidor local) instalada e rodando em casa**. Se precisar de ajuda para instalar a sua própria, tem tutoriais aqui. Além disso, estamos supondo que você sabe usar o terminal e entrar na Raspi por ssh.
 
  
 
É verdade que alguns provedores de Internet até te dão um IP público, mas geralmente ele não é fixo, ou seja, cada vez que você reinicia o roteador esse ip pode mudar. Nesse caso a gente só precisa de algum jeito para sempre saber qual o ip atual do roteador, além de fazer um port forward, que é a maneira de repassar o tráfego para a Raspi. Esse é o assunto da [[Auto-hospedagem_e_ip_público_-_parte_1|parte 1]] desse tutorial.
 
É verdade que alguns provedores de Internet até te dão um IP público, mas geralmente ele não é fixo, ou seja, cada vez que você reinicia o roteador esse ip pode mudar. Nesse caso a gente só precisa de algum jeito para sempre saber qual o ip atual do roteador, além de fazer um port forward, que é a maneira de repassar o tráfego para a Raspi. Esse é o assunto da [[Auto-hospedagem_e_ip_público_-_parte_1|parte 1]] desse tutorial.
Line 26: Line 25:
  
  
 +
**Esse tutorial assume que você já tem uma Raspi (ou outro servidor local) instalada e rodando em casa**. Se precisar de ajuda para instalar a sua própria, tem tutoriais [[Servidor_Local_Raspberry_%2B_Nginx_%2B_PhP7|aqui]] e vários outros lugares. Além disso, estamos supondo que você sabe usar o terminal e entrar na Raspi por ssh.
  
 
* [[Auto-hospedagem_e_ip_público_-_parte_1|Parte 1]]
 
* [[Auto-hospedagem_e_ip_público_-_parte_1|Parte 1]]
 
* [[Auto-hospedagem_e_ip_público_parte_2|Parte 2]]
 
* [[Auto-hospedagem_e_ip_público_parte_2|Parte 2]]
 
* [[Auto-hospedagem_e_ip_público_parte_3|Parte 3]]
 
* [[Auto-hospedagem_e_ip_público_parte_3|Parte 3]]

Revision as of 15:22, 19 August 2021

Diagrama autohospedagem.png

Muita gente gosta da ideia de ter uma máquina própria para seus próprios serviços de internet, como um etherpad, servidor de música e vídeo, jogos ou até e-mail. Para que confiar no google se você pode pode ter seu próprio google docs ou drive? É isso que programas como FunkWhale, nextcloud ou jellyfin oferecem.

Se você for usar os serviços só em casa ou na tua comunidade, você vai estar usando a rede LAN, que tem IPs locais, não acessíveis para quem está na internet. São os IPs no formato 192.168.*.*, ou 10.*.*.*, ou 172.*.*.*.

Só que muitas vezes você não quer usar sozinho esse serviço, mas quer que ele esteja disponível na internet para sua família ou amigos, ou quando você mesmo está na rua. Se você está rodando esses sistemas numa máquina virtual (VPS) na internet, isso não é um problema, o serviço já está na "nuvem". E o que acontece se você quiser que essa máquina esteja na sua própria casa? Com um computador normal ou de cartão como a raspberry, essa pode ser uma opção mais autônoma. Mas muita gente não tem essa possibilidade porque para isso é necessário que o teu equipamento tenha um ip público, visível para todos na internet.

É verdade que alguns provedores de Internet até te dão um IP público, mas geralmente ele não é fixo, ou seja, cada vez que você reinicia o roteador esse ip pode mudar. Nesse caso a gente só precisa de algum jeito para sempre saber qual o ip atual do roteador, além de fazer um port forward, que é a maneira de repassar o tráfego para a Raspi. Esse é o assunto da parte 1 desse tutorial.

Infelizmente, em zonas rurais do Brasil com provedores menores, dificilmente vai chegar um ip público no teu roteador. Um pacote vai passar por um monte de outros roteadores com outros IPs locais até chegar na tua casa. Você pode ver o caminho por onde passa a internet até teu navegador usando um trace router. Em teoria você poderia ir fazendo port forwards desde o IP público do teu provedor até sua casa, mas na prática nenhum provedor vai te deixar fazer isso!

Uma maneira de resolver esse problema é com VPNs, redes privadas virtuais. Com esse recurso, você pode criar um rede com IPs próprios, que funcionam independente de onde estiverem - em casa, na nuvem, no celular na rua... Existem diversas maneiras de se criar VPNs, mas nós vamos ver como funciona a zerotier, que é um programa que pode ser instalado no seu PC, na Raspi ou no celular. Esse é o assunto da Parte 2 do tutorial.

Essa solução ainda não é a ideal porque para funcionar, todo mundo que for usar o teu serviço teria que ter o zerotier instalado e autorizado para fazer parte da tua VPN. Então vamos estudar uma solução intermediária: ter uma máquina na nuvem (VPS) com ip público (e domínio próprio, de preferência), que vai repassar os pacotes que chegam até ela para a rede zerotier onde vai estar conectado tua raspi em casa. Essa é a Parte 3 do tutorial.

Aí você se pergunta: se já vou estar pagando uma VPS onde poderia instalar várias coisas, porque vou ter serviço rodando de casa? Por um motivo simples: se você quiser armazenar vídeos, fotos, música, backups, pode chegar a usar vários terabytes e isso seria caríssimo de manter numa VPS. Além disso, a gente na Coolab está planejando em breve oferecer esse serviço que se chama proxy para quem quiser ter teu self-hosting em casa.

Esse tutorial assume que você já tem uma Raspi (ou outro servidor local) instalada e rodando em casa. Se precisar de ajuda para instalar a sua própria, tem tutoriais aqui e vários outros lugares. Além disso, estamos supondo que você sabe usar o terminal e entrar na Raspi por ssh.